DOMA E PREPARAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS


 

Seja no mundo rural ou esportivo, como atividade econômica, terapia ou lazer, vimos que os cavalos ainda mostram seu valor no mundo moderno. A secular seleção genética das mais variadas raças de equinos ganham espaço no mercado, tendo como principal objetivo um plantel de animais que se destacam pela sua excelência. Cada vez mais proprietários e criadores de cavalos investem muito dinheiro em seus futuros campeões que chegam a ser vendidos por somas consideráveis. Mas de nada adianta ter um animal com pedigree, sem um trabalho de base bem feito e elaborado como uma doma bem realizada e eficaz.

A doma ou processo de adestramento é o momento mais importante da vida de um cavalo. Se algo for realizado de forma errada, pode-se arruinar definitivamente as chances de um potro (cavalo jovem) vir a ter uma carreira de sucesso nas pistas e de se tornar um grande campeão.

 Portanto, se este trabalho for feito da forma correta e por profissionais capacitados, as chances deste animal ter uma carreira vitoriosa e competitiva por muitos e muitos anos, são enormes. Criar melhores condições para que um potro, no período de iniciação, aceite os ensinamentos e as técnicas necessárias para o seu treinamento é fundamental.

Com relação a psicologia dos equinos propriamente dita, devemos levar em consideração que o cavalo possui inteligência, memória, senso de orientação, sensibilidade e vontade muito particulares, o que faz de cada indivíduo um ser único. Somando-se estes aspectos as características e personalidade de cada animal, existem situações que merecem muita atenção e cuidado quando estamos dentro de um programa de doma e treinamento. Alguns dos exemplos são:

ANSIEDADE/MEDO - para um cavalo temeroso é mais difícil receber um bom treinamento, portanto, a tarefa do treinador é, antes de tudo, aliviar qualquer situação de estresse. Nestes casos, as punições só tendem a agravar o problema.

ABORRECIMENTO - este é um bom indicador de que o cavalo está entediado, e isto pode acontecer pelo excesso de repetição. Neste caso, o cavalo se nega a continuar a rotina de treinamento e desiste de realizar determinada manobra. Muitos treinadores não reconhecem o momento de parar. Sessões mais curtas de treinamento mantém o cavalo alerta e com vontade de se exercitar.

CONFUSÃO - este estado é originado quando se exige que o cavalo realize algum movimento que ele ainda não é capaz de executar ou quando recebe muitas punições seguidas. Animais que demonstram nervosismo, tentam fugir ou negam-se a continuar o treinamento, podem estar possivelmente sentindo-se confusos.

Em outras situações podemos perceber atitudes que demonstram reações emotivas:

AMIZADE e ALEGRIA - os cavalos são capazes de desenvolver afeição e amizade com crianças e adultos. Isto porque o cavalo é um animal social. Se ficar muito tempo sozinho pode ficar tenso, inquieto e estressado. A amizade com o homem se dá através de bons tratos e carinho.

AFEIÇÃO - com a progressão da amizade, o cavalo aprende a sentir afeição pelo homem. Nestes casos ele é capaz de identificar seu tratador e cada vez mais ele se torna um companheiro fiel, adquirindo confiança e respeito durante suas atividades.

Neste processo de aprendizado, temos que considerar sempre que estamos lidando com um animal jovem, inseguro, medroso, às vezes tímido e muitas vezes agressivo. Por isso trabalhar dentro de uma metodologia para formar e lapidar a personalidade de um potro, é de extrema importância. Aliando técnicas de treinamento modernas, criadas a partir da observação dos cavalos na natureza, e adaptando esta linguagem ao relacionamento homem/cavalo, é que obtemos sucesso com eficácia comprovada.

De acordo com esta abordagem, e seguindo uma filosofia de que que o cavalo aprende gostando do que faz, sempre colaborando com o homem, podemos ter animais calmos e confiantes, prontos a atender aos comandos do cavaleiro. Assim, devemos tomar muito cuidado em não ultrapassar o limite de aprendizado do potro, algo que é tão comum e que acaba por provocar estresse emocional e resistência para aprender e colaborar. Animais jovens são como crianças, estão descobrindo o mundo, são curiosos e o seu foco de atenção no cavaleiro não dura muito tempo. Longas sessões de treino só acabam por provocar estresse emocional.
Mas não é apenas o aspecto emocional que conta. Também estamos lidando com um corpo em formação, que se não for bem preparado terá grandes chances de sofrer lesões devido aos esforços repetitivos ocasionados pela fase seguinte à doma, que seria o treinamento para provas e competições.

Para tanto, é importante elaborar um programa de doma e preparação de animais atletas onde deve-se atuar com muita paciência e principalmente sem violência. Neste programa é realizado um treinamento voltado para preparar fisicamente o cavalo para que no final possamos ter um animal calmo e confiável, bem flexionado, sabendo obedecer e executar todas as manobras de rédeas - base de adestramento para qualquer outra modalidade. Além deste preparo, é fundamental uma alimentação equilibrada e saudável para que o animal tenha uma musculatura bem desenvolvida e alongada, tendões e ligamentos fortes e que esteja pronto para os esforços repetitivos da sequência de treinos.

Entregar o seu animal bem treinado, em excelentes condições físicas e emocionais, aliado a uma boa performance do conjunto (cavalo/cavaleiro), melhorando seu desempenho em diversas modalidades esportivas ou simplesmente no seu dia-a-dia, é o nosso objetivo e compromisso!

Viviane Campesato

Bióloga, Mestre em Genética e Biologia Molecular, Doutora em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e sócia proprietária do CTRC Lara Hope.

Esporte